Dói o código



0 Comentários

Doi o código um porão mal iluminado uma cena penumbra do primeiro corte. A sala de jantar está cheia os homens códigos com cabelos bem aparados as mulheres enchem os

Tributo a Raul Seixas



2 Comentários

Murais do coletivo Acidum (Fotos: João Ernesto) João Ernesto A chama do primeiro cigarro demorou mais que eu esperava. Planos de pegar o primeiro trem da estação de Natal até

Ranger de dente #5



0 Comentários

(Pintura: Vladimir Kush) Por João Ernesto tem um crocodilo no canto da sala em que eu costumo escrever. eu tanjo ele com um pedaço de pau enxoto para que fique muito

Ranger de dente #4



0 Comentários

Por João Ernesto um pólo é um limite. Um soco é um limite. Um pólo é extremo e um soco também. Um colo serve para o evitar o soco e socorrer

Ranger de dente #3



0 Comentários

Por João Ernesto um poro só é um poro se expelir um líquido. Um homem só é um homem se ele for visto chorando no canto de um bar. Sozinho. Um

Ranger de dente #2



0 Comentários

(Pintura: Noite estrelada, de Van Gogh) Por João Ernesto pensar em você é atirar uma pedra para uma pessoa cansada se afogar no meio de um rio O corpo, inerte, escorrega pela

Ranger de dente #1



0 Comentários

(Foto: Kiko Silva) Por João Ernesto Numa rota de colisão eu ando apressado pelo centro da cidade onde as pessoas se esbarram, mas não se encontram incomoda os carros que

Bicho que olha e nada vê



0 Comentários

Por João Martins   sonolento o dia inteiro levantando as ideias na horizontal o corpo despende escorregando pelas ruas regurgitado pela sociedade. O rumo é a sobrevivência catando com as

Atentado



0 Comentários

Por João Ernesto jernesto@revistaberro.com   Dos 49 mortos O que contraria a estatística é o filho de afegão Que poderia muito bem ser um morador do castelão a próxima vítima Ou

Sobre o amor e a rua



0 Comentários

(Foto: pintura de  Jeremy Mann) João Ernesto De um ponto a outro da cidade o caminho que percorremos é o atalho da preguiça, ou o caminho atento aos detalhes. Na rua