liberdade

Em tempos assim

Vanessa Dourado

Amar em tempos assim é essencial
E não interessa se vai ser invisível
É necessário cantar como Whitman
Morder os dedos logo de manhã

Amar hoje, amanhã e depois
Deixar tudo o que não foi
Caminhar como gato de rua
Transar até secar a lua

Passear por estes pântanos
E não cair em seus encantos
Que o ego também é dor
Mas o avesso é bicolor

Em tempos assim
Abraçar o estranho
Para engravidar o tempo
Para ocupar o vão

A revolução sempre foi um prato malcomido

 

Vanessa Dourado é escritora, bissexual e feminista latino-americana

Deixe uma resposta