O puro gosto por gente comum



0 Comentários

Por Ana Bento O puro gosto por gente comum a vida real a que sai do matagal a que está no areal do sertão debaixo de um céu alaranjado a

Ao leste de lugar algum



0 Comentários

Por Frida Popp Ao leste de lugar algum, onde o mar é mais azul. Ao leste, onde o sol queima a pele, deixando marcas. Onde os passarinhos não voam. Flutuam

Crônicas da Cidade: A arte de levar uma geral



3 Comentários

(Arte: Banksy) Se tem uma coisa que ocorre com certa frequência por estas bandas da Cidade dos Funcionários é a famosa geral, ou o baculejo, cuja forma abreviada é “baca”,

Domingo na feira



2 Comentários

(Foto: Fabiane de Paula) Artur Pires – Taqui, meu senhor, ó! disse a tiazinha, bem preta e pano amarrado à cabeça, retirando do panelão, donde borbulhava água quente que cozinhava

O black bloc e o polícia: muito além da aparência



0 Comentários

(Ilustração: Chappate) O amigo que me contou o que relatarei a seguir não é de inventar história. Depois de ouvi-la, acreditei que, sim, as coisas ainda podem se aprumar, se

O cearense, os argentinos e os muros que separam a vida



0 Comentários

(Fotos: Artur Pires/Revista Berro) Córdoba é a segunda maior cidade da Argentina, com cerca de 1 milhão e 400 mil pessoas. É capital da província de mesmo nome. O cearense

Crônicas da Cidade: A mídia ninja e a mídia molecagem



2 Comentários

O Brasil passa por uma transformação muito rápida nos últimos 10 anos, no que diz respeito às formas e ferramentas para se fazer comunicação social – que nos dias atuais

Ser tão



0 Comentários

Por Melina A. Aragão Meio dia. O vento lançava redemoinhos de poeira, tingindo o tempo. Caatinga marrom borrada pelo verde dos juazeiros. Ela, de seu alpendre, contemplava a solidão silenciosa

Firulas



0 Comentários

Por Melina A. Aragão Eu quero não querer saber das coisas que não me cabem Abrir as janelas do peito e não ver os ares de azul que me lambem.

Dos nossos



0 Comentários

Por Melina A. Aragão Todo homem tem um destino capa preta, luz branca. Quando a água das veias se estanca fica o vácuo, o coração liberto Devassando os sonhos já