Dos nossos



0 Comentários

Por Melina A. Aragão

Todo homem tem um destino
capa preta, luz branca.
Quando a água das veias se estanca
fica o vácuo,
o coração liberto
Devassando os sonhos já abertos
Desenhando vidas ancestrais.
Caem os olhos sobre os memoriais
da guerra
Fecundando a terra à sangue
A boca se alimenta do grito
emoldurado na estante.
Asfalto a acolher os corpos
Violados, jamais mortos
Se contorcem em outros peitos
A vagar e buscar outros leitos
Descansa, almas dos nossos.

Melina A. Aragão é feminista e boêmia


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *