Reprodução Facebook Mateus Leandro 03

Sabiaguaba Lixo Zero

Autogestão de coletivo promove limpeza do Rio Cocó em Fortaleza

Por Dani Guerra

Assistir ao sol se pondo no Rio Cocó na mata é de alegrar o coração. A beira do rio que corre para o mar atrai turistas e moradores para as barracas na areia. No entanto, entre o paredão e o lounge, a poluição resultante da ação humana começa a afetar as vidas no rio e entorno. Sentindo o sumiço dos siris, caranguejos e peixes, um grupo de nativos da comunidade Boca da Barra, pescadores submarinos e de mergulhadores organiza o Coletivo Sabiaguaba Lixo Zero.

sabi
Foto: Nil Cerqueira

 

“A gente tem uma visão totalmente diferenciada de uma pessoa que vem para praia”- reflete Roniele Sousa, nativo da Sabiaguaba e coordenador da ação – “estava pescando e sempre vinha lixo na tarrafa, começamos a articular essa limpeza porque sabemos que quando a gente limpa o rio também limpa a nossa casa”.

As fotos na rede social de Mateus Leandro contrastam a beleza da foz do rio e o pneu de trator tirado do fundo dele. De acordo com o pescador submarino, os sacos não foram suficientes para tanto lixo, necessitando outros encontros. Interrogado sobre o que mais chamou a atenção dele no primeiro dia de limpeza, relembra: “Seringas com agulhas, numa área de 50 metros”.

Reprodução Facebook Mateus Leandro 02
Foto: Reprodução Facebook

“A poluição no Rio Cocó não se produz sozinha, a poluição somos nós, os seres humanos, que achamos que um papelzinho de bombom, ou uma garrafinha não vai fazer a diferença, mas aquilo vai se acumulando nos lugares, no fundo do rio e vai matando a vida que ali existe” – questiona Mateus. Enquanto isso, os peixes e os mariscos migram: “Eles vão para o mar que lá mesmo sendo poluído não é tão poluído como a foz do rio que recebe o esgoto e a sujeira dos banhistas”.

O Coletivo Sabiaguaba Lixo Zero mostra a possibilidade de coexistência entre populações tradicionais e áreas de conservação ambiental. Em 2016, o Governo do Estado do Ceará contestou a permanência de 150 pessoas da comunidade Boca da Barra da Sabiaguaba que estariam dentro da poligonal do Parque do Cocó. Após mobilização popular e institucional, Roniele explica que os moradores estão à espera do decreto, que incluirá artigo garantindo a permanência da comunidade.

A ideia do Sabiaguaba Lixo Zero começou com uma ação, virou coletivo e, agora traz articulação de movimentos para a preservação das áreas verdes da cidade.  Os números divulgados na página do projeto alarmam, mais de 1700 quilos de lixo retirados das margens e manguezal do Rio Cocó e da Praia da Sabiaguaba. Sacolas, garrafas e outros descartáveis são destinados a cooperativa de catadores, uma parceria com o Projeto Verdeluz.

Para Roniele, a novidade rende conscientização: “Quando você chega na beira da praia, todo mundo quer saber o que está acontecendo, e a gente começa a falar do lixo, você começa a ver crianças, adultos colhendo lixos, é uma parte interessante porque a pessoa que está vendo o lixo”.

Outras informações:
Sabiaguaba Nativa
Sabiaguaba Lixo Zero

 

Deixe uma resposta