Das tatuagens à escultura: a transição artística de um escultor



2 Comentários

Ex- tatuador faz parte da nova geração de artistas plásticos do Cariri produzindo arte sacra (Fotos: Márcio Feitosa)

Por Lídia Costa e Patrícia Duarte*

Cícero Evânio, de 24 anos, é mais conhecido entre familiares e amigos como Panta. O artista começou no ofício de escultor há três anos e meio; deixou de lado o trabalho de tatuador e passou a se dedicar à criação de esculturas feitas a partir da imburana, madeira muito comum nas produções de artistas como Mestre Noza, Manoel Graciano, Nino e demais que já contribuíram para a arte popular.

Hoje, Panta desenvolve sua atividade no Centro de Cultura Popular Mestre Noza, em Juazeiro do Norte (CE), no qual foi recebido e orientado por Gil, um dos pioneiros a trabalhar no local. Ele conta que desde criança sempre esteve ligado às artes, gostava de desenhar, pintar, mas quando começou a esculpir descobriu um talento especial.

No início sentiu dificuldade, pois sofria muitos cortes nas mãos por conta da falta de experiência no manuseio das ferramentas. “Comecei através de uma vontade que já tinha de trabalhar com esse tipo de arte, e ao chegar no Centro de Cultura tive essa oportunidade, passei pela fase de aprendizado, a trabalhar com a madeira, já que os maquinários e ferramentas são outros“, relembra.

Panta

Panta seguindo orientações de Gil

Além de esculpir as peças, também finaliza o processo de criação com a pintura, especialidade que desenvolveu em uma viagem a Salvador (BA). Segundo ele, essa estética é o que mais gosta de fazer. Para Panta, desenvolver esse tipo de trabalho artístico é motivo de orgulho, pois além de realização pessoal é também uma forma de se comunicar com outras culturas do país e até do exterior.

O artista já esculpiu personagens famosos da cultura popular como Luiz Gonzaga, Padre Cícero, Lampião, mas decidiu se especializar na arte sacra, seguimento historicamente muito comum ao ofício da escultura. Basta lembrar do escultor brasileiro mais reconhecido, o Aleijadinho, que também se especializou nesse tipo de arte.

Outras Informações:

Centro de Cultura Popular Mestre Noza

Rua São Luis, 96, Centro, Juazeiro do Norte-CE

Telefone: (88) 3511-3133

 

*Estudantes de Jornalismo na Universidade Federal do Cariri (UFCA) 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *