fixação nos bichos



0 Comentários

(Ilustração: Lara Albuquerque)

deve ser por isso que nicanor odiava
as metáforas,
fosse ele um homem qualquer o pedreiro
vidente das eras vindouras das ruínas,
nicanor que metaforicamente não usava
as figuras de linguagem nem comia as
batatas cruas
porque é irracional
mas não falamos disso nem dos
crudívoros
nós sempre da carne, nos acostumamos a
ser ridículos

observo as interrogações no lugar das
alegorias
a tristeza nunca fora tão bem explorada
como nos tempos repetidos da terrível
notícia

as dúvidas significam o desejo contínuo de
querer falar qualquer imagem, ainda que
sem a dimensão das respostas

revisito o inventário das feridas e todas
guardam a melancolia contemporânea, por
que então agora as coisas mudam de
lugar?

sabemos, mesmo assim o saber é ineficiente
atrás do bicho corre um pobre
da solução do delírio da ilusão
o revés
a lentidão
o pobre atrás do bicho,

o bicho é a morte.

///

Ma Njanu é poeta, educadora popular e integrante da coletiva Pretarau


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *