Alto da Paz



0 Comentários

Foto: Davi Pinheiro/Nigéria

Foto: Davi Pinheiro/Nigéria

Zetto Soares

Do alto
Não há paz.
Cidades espremidas apontam para o céu
Muros, vidros, cercas, carros blindados…
Nossa Cidade
Cada vez mais Forte
Cada vez mais violenta.

Do alto
Não há paz.
Só um Choque entre balas e pedras
Uma raiva despejada
Casas sem cor,
Homens de cores esquecidas
E a Cidade
Cada vez mais Forte.

[…]
A força legitima a violência do porvir
Máquinas removendo o tempo
Vidas dismilinguidas
Negros, pobres, favelados… em troncos
Pagando a raiva mediana tributada
Soluções de políticas mascaradas
Em corpos marginalizados

– quinta capital mais desigual do mundo –
Cada vez mais violenta

– seis por cento da população detêm
vinte por cento de sua riqueza –
Cada vez mais Fortes

– nas vitrines da cidade, opções de felicidade –
Cada vez mais violentos
[…]

Mas
Do alto
Não há paz
E especulação não constrói laços
Por que então o alto?
Da paz
Cada vez mais forte.

Zetto Soares é poeta


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *