liberdade

“Zerar a vida”

Patrícia Mirelly

Enquanto punha o café na xícara miúda, ela dizia ter se enfezado e mandado dar fim nas mais de vinte agendas que guardava em casa.

- Leva! Quero mais nem saber! – e incumbiu o marido de atear fogo em todas. Uma a uma. “Zerou a vida”, a irmã intuiu, do outro lado da mesa.

“Zerar a vida” é um jeito interessante de sugerir recomeços. Agendas carregam acontecimentos, memórias de conquistas e de aborrecimentos, momentos que surpreenderam ou desagradaram. Projetos não executados, compromissos não cumpridos.

No turbilhão dos dias, às vezes, é preciso virar, pular, rasgar as páginas ou dar fim à agenda. Renunciar datas e momentos negativos é fazer um corte no tempo para que se possa rever tudo que se viveu e recomeçar. Nas relações e na profissão. Sem pressa. Sem afobações.

Patrícia Mirelly é estudante de Jornalismo na Universidade Federal do Cariri (UFCA)

Deixe uma resposta