feira

Domingo na feira

(Foto: Fabiane de Paula)

Artur Pires

- Taqui, meu senhor, ó! disse a tiazinha, bem preta e pano amarrado à cabeça, retirando do panelão, donde borbulhava água quente que cozinhava outras espigas, um milho verde, entregando-o em mãos a um homem de grande bucho, mãos peludas e bigode volumoso – que parecia muito com o Leôncio, do Pica-Pau. O homenzarrão agradeceu, pagou, e se agarrou com gula à espiga.

O segredo de aproveitar o melhor da feira é acordar cedo. Foi o que fizemos. E olhe que acordar cedo no domingo não é uma das coisas que mais aprecio, não, viu! Mas tínhamos que ir à feira. Eu precisava comprar um aquário e o amigo que me acompanhou, um peixe beta. E preço melhor que o da feira não há!

A feira da Parangaba – também conhecida como feira dos pássaros – ocorre há mais de duas décadas, às margens da lagoa que dá nome a ela e ao bairro. Lá, você encontra a venda de tudo: rolo de fumo, rapadura, mel, farinha de mandioca, molho de pimenta malagueta, pó de castanha, linhaça, cuscuz, hortaliças e frutas diversas, porco, pato, galinha de capoeira, capote, caranguejo, cará, gado, coelho, cabra, ganso, peru (todos os animais citados, vivos ou mortos, à escolha do freguês), cotia, cachorro, gato, galo indiano de briga, pássaros, muitos pássaros (vimos até um filhote de carcará – “pega, mata e come, num vai morrer de fome, mais coragem do que homem” – sendo comercializado: uma pena!), todo tipo de produto eletrônico, mecânico e hidráulico, roupas, bonés, lupas, CDs, DVDs, vinis, motos, carros, bicicletas, celulares, tablets, dindin, caldo de cana, caldim de caridade, buchada, sarrabulho, panelada, feijoada, cerveja, cachaça, jogos pra perder dinheiro (perdi dois contos num lá onde tinha que chutar a bola e derrubar duas garrafas de uma vez), etc. No caso da feira, nem o etc. vai ser capaz de dar conta da variedade de coisas que se encontra por ali… Até ciganas, nas devidas indumentárias, prontas para ler as mãos têm na feira! A feira da Parangaba é maior que a do Assaré, que a de Redenção, que a da Barbalha e a do Crato juntas; é um mundão de gostos, sabores, cores e gentes…

- Vai querer, tá bem fresquinha, diz o vendedor de carnes, amolando com muita rapidez o enorme facão com que corta habilidosamente aqueles troços de porco.
- Seu Zé, hoje eu vou querer só a orelha, o rabo e bem muito toicim, que é pr´eu fazer uma feijoada daquelas lá em casa.
- Só se for agora, minha jóia! responde de bate-pronto o vendedor, se preparando para fatiar o leitão.

Na feira, há tipos diversos. Enquanto tinha uma caixinha de som à mão e escutava um forró da favela, um pivete que vendia uma bike, com guidão alto – no estilo da favela -, anunciava:

- Óia, minino, bike novinha hein! Só o freio que tá pêdu, mas o resto tá rochedo!

Passeio os olhos rapidamente sobre a bicicleta e ela me parece bastante baqueada. Pensei: “ora só o freio, besta é quem compra!”.

- Tá rochedo vete, só olhando mesmo, respondi-lhe, fazendo um gesto de cumprimento com a cabeça, no que fui prontamente correspondido.

Dali, rumamos para a tenda do seu João do Caldo, um senhor com bastante senso de humor, onde rolava um caldim de cana.

- Seu João, eu vou querer um!
- Na hora, meu fi. Deixa eu botar aqui no seu caneco? disse seu João, em duplo sentido, rindo tímido, de quem está fazendo graça!
- Hehehe, gaiatim, né? respondi encabulado.
- Tô falando sério, meu fi. Olhe, tem coxinha e outros salgados também. Já tá comido? brincou novamente o vendedor de caldo, lançando mão de um sorriso generoso.
- Hahaha… Já, já! Tomei um café da manhã reforçado mah. Na próxima vez eu como. Por hoje, só o caldim mesmo!

lagoa-da-parangaba
(Foto: Sara Maia)

Já tínhamos percorrido toda a feira. Agora, era hora de realizar um desejo, uma vontade antiga: torrar um à beira da lagoa da Parangaba. Chegando à margem, nos sentamos e experimentamos aquela brisa suave que vinha das águas, mesmo o clima estando quente! Garças planavam perto de onde estávamos, pairando no ar, à procura dos carás que abundam por ali. Ao lado, numa curva da lagoa, pivetes chupavam mangas coités e lançavam uma tarrafa na água, na esperança de pegar peixes. Foi sal! Ao puxar de volta, dezenas de carás medindo uma palma de mão, em média, estavam presos à rede de pesca. Os pivetes comemoraram e chuparam mais mangas! Na metade do beque, chegou um feirante pedindo uma bolinha, e repartimos os três aquele “pão”. Ficamos por ali, à beira da lagoa, recebendo de bom grado aquele vento que soprava manso e nos fazia divagar sobre a grandeza da vida…

Tempos depois, a larica apertou.

- Bora comer uma panelada? sugeriu o amigo que me acompanhava.
- Ora se…
- Tem ali, ó, disse ele, apontando para uma das tenda da feira, sem esperar eu nem terminar a frase.

A barraquinha que tinha uma sinuca estava lotada, sem cadeiras e mesa livres. O jeito foi se contentar numa sem sinuca mesmo. “Deixa pra jogar noutra oportunidade”, pensei. Enquanto aguardávamos a panelada, pedimos uma cerveja gelada pra aplacar aquele calor. Ao lado, um papudim solitário nos fitava, comia uma buchada e tomava um burrim, que já ia pela cintura. Ao fundo, das caixas de som afixadas às estacas que amparavam a estrutura, Zezé de Camargo gritava estridente: “Menina veneno, o mundo é pequeno demais pra nós dois…”. Colher às mãos, comemos a panelada gulosamente. Hummmm!!! Ô coisa boa! Deu até pra escorrer o suor da testa.

Já era perto do meio-dia quando nos recuperamos da panelada e decidimos retornar à Cidade dos Funcionários. Além do aquário, ainda deu tempo de comprar um mel de abelha italiana pra curar a rouquidão e as dores de garganta e uma farinha de castanha do Pará pra adicionar à bananada do café da manhã e dar-lhe mais sustança.

O que fica de mais rico da feira é o contato com tipos diversos, principalmente com uma Fortaleza periférica, segregada – mas nenhum pouco apavorada! -, que escapa ao nosso convívio muitas vezes, mas que mantém firme e lindamente suas origens de povo, que se sustenta em meio a essa selva de pedra excludente com luta, bom humor, criatividade, sangue nos olhos e boas doses de resistência.

- Vai uma esperança aí? Tá fresquinha!