mergulho interior

A compreensão da nossa mente como o universo interior

Bruno Falcão

O universo está em expansão constante, várias energias se chocam gerando conflitos, e a partir destes surge a expansão. A teoria do Bing Bang ou “a grande expansão” – o conflito de energia cósmica gerou o universo, através desta cosmo-energia a Via Láctea surgiu e continua se expandindo constantemente. A explosão de energias ou pensamentos (no caso interno) nos possibilita uma expansão do nosso próprio universo – a expansão da mente – e não a destruição do ser, como nós, seres humanos, interpretamos .

Através dos conflitos de pensamentos, problemas, questionamentos, ou simplesmente embate energético, surge a oportunidade da energia cósmica interna de cada ser expandir-se, evoluir. Jesus Cristo, na sua parábola do fermento, nos fala o seguinte: ”O reinos dos céus é semelhante a um fermento, em que uma mulher meteu três medidas de farinha até ficar tudo elevado”. O fermento faz a massa crescer, imaginemos que esse fermento seja a energia cósmica do universo, que está dentro de cada um de nós: em contato com a matéria esse choque de forças gera crescimento.

Nesse sentido, olhemos cada vez mais para dentro de nós, porque nossos conflitos, os problemas internos são a chave para nossa evolução. O choque de perguntas internas nos expande para uma compreensão maior do nosso universo particular – a mente! Jesus nos ensina em mais uma parábola chamada “A videira e seus ramos”, em que ele fala sobre o corte dos ramos ruins, pois só assim iremos gerar ramos bons. Esse corte só é gerado a partir de sofrimento desenvolvido através de conflitos internos, crises existenciais. Nosso universo interior se choca, gerando a oportunidade do crescimento da nossa energia cósmica.

Analisando a dualidade corpo e alma, a imperfeição do corpo, da matéria (do ego!), compreende esse choque energético como um momento de destruição. O corpo, na sua pequenez, não suporta a força gerada a partir dessas energias. Se nos apegarmos à consciência de corpo, matéria ou ego não compreenderemos com clareza esse choque e muitas vezes encararemos o conflito de forma autodestrutiva, entorpecendo nossa alma com raiva, drogas, etc. Esse tipo de energia mal canalizada faz com que destruamos nosso universo particular – a mente. Porém nossa alma, quem realmente somos, o verdadeiro ser, a energia inacabada que foi criada e se desenvolve cada vez mais a partir desses conflitos, consegue transcender o choque cósmico que o corpo pensa ser destruição encarando tudo como um único momento de (re)criação, expansão e crescimento. Mas para isso precisamos estar cientes de quem somos, precisamos estar fortes para poder enxergar e aproveitar esse momento cósmico expansivo no seu real sentido. O universo em sua perfeição compreende o verdadeiro motivo desses conflitos, interpreta de forma natural e simplesmente cresce, pois segue o fluxo energético. O embate da energia cósmica (pensamentos) gera vida, gera luz nova e o crescimento do universo se faz presente de forma interna ou externa.

Quando nossa energia mental se choca através da dor e de questionamentos essa é a verdadeira hora de crescer e não autodestruir-se. Aproveitamos a dor humana como um trampolim de crescimento espiritual. A morte do ego ou o esquecimento que somos corpo é o que gera essa dor, a percepção de que somos mais incomoda que pensa que é menos(alma mais corpo menos). O filósofo e teólogo brasileiro Humberto Rohden, em seu livro Sabedoria das Parábolas, explica que através dos erros, de pensamentos, de conflitos de energias internas podemos chegar à verdade divina. Assim possuímos dois caminhos para resolução dos conflitos existenciais: crescer espiritualmente ou destruir-se. Jesus não é o único, vários mestres espirituais em toda a História falaram e falam sobre o assunto. No livro sacro hindu Bhagavad Gita, Krishna ajuda o príncipe Arjuna, o ser humano, a resolver seus conflitos internos, dando-o suporte para que canalize sua crise existencial para uma expansão verdadeira da mente.

Essa verdade cósmica está para todos que se permitam senti-la. Essa é a verdadeira intenção de Deus para com nós: a expansão da consciência humana para a consciência cósmica. A união é chave de tudo, o coletivo e o individual devem andar juntos, pois estamos todos inseridos no mesmo cosmos, somos filhos da mesma fonte energética que criou tudo. “Faça-nos sentir a alma da terra dentro de nós, pois assim sentiremos a Sabedoria que existe em tudo” (Jesus Cristo).

 Bruno Falcão bebeu da fonte chamada “Rua” e sentiu os efeitos colaterais do mundo, viu um mundo doente, e busca um antídoto pra amenizar o que já está consumado

Deixe uma resposta