A “escolha” é uma escolha? Compreendendo o ingresso nas relações criminais



0 Comentários

Analisando a socialidade favelada, pode-se decretar que alguém “escolhe” ser “bandido”, como se fosse uma escolha prática entre ser “traficante”, médico ou engenheiro? Que opções profissionais surgem como viáveis às

“Cadeia é uma máquina de fazer bandido”



0 Comentários

Neste texto, quero trazer a fala de alguns “bandidos” capturados pela lei proibicionista brasileira. Eles narram algumas histórias de suas passagens pelo sistema prisional, expondo suas experiências materiais e subjetivas.

Cartas a Ardilla: Buenos Aires



0 Comentários

Buenos Aires, 20 de agosto de 2020 Querido Ardilla, Viver estes dias de confinamento e escutar as notícias que chegam todos os minutos fazem a vida perder um pouco de

Estado punitivo-penal e a produção social da delinquência



0 Comentários

Com a figura do delinquente criada pela administração penitenciária e essencializada pelas agências midiáticas (meios de comunicação de massa), é quase inescapável às pessoas que praticam a criminalidade pobre evitarem

Tecnopolítica da punição: A função econômica do encarceramento



0 Comentários

Os braços deste rio caudaloso por onde escorre o sistema de relações sociais do crime, ainda que à primeira vista possam parecer caóticos e desordenados, funcionam de maneira organizada, compartilhada

(Podcast) Mitocôndria #5 entrevista Gustavo Costa // Fotografia Periférica



0 Comentários

Como proposta de difusão cultural no Estado, Dani Guerra e Leo Silva propuseram realizar, para a Convocatória Arte em Rede da Secult-CE, um episódio especial da Mitocôndria sobre as fotógrafas

“O crime nunca vai acabar por causa da polícia”: a participação policial decisiva nas relações criminais



2 Comentários

Vale observar que os acordos entre polícia e “bandidos” são extremamente frágeis e implicam apenas, de antemão, uma permissão para funcionar, não uma proteção total e irrestrita. A fluidez orgânica

A economia da corrupção que move a relação entre polícia e “bandidos”



0 Comentários

É sobretudo na relação de trocas de interesses mútuos com os “bandidos” que a polícia investe sua decisiva participação no sistema de relações sociais do crime. As favelas são territórios

“Não confio na polícia”: A relação de descrença entre a classe trabalhadora e os policiais



3 Comentários

O descrédito das pessoas pobres pelos meios judiciais é justificado principalmente pela violenta (física e simbolicamente) relação das populações faveladas com a instituição do aparelho judiciário com a qual convivem

“O dinheiro fala mais alto, [com ele] se torna mais fácil de fazer justiça”: A violência do aparelho judiciário



2 Comentários

Nenhum regime de signos talvez seja mais acionado pelos meios de produção simbólica da realidade nas sociedades contemporâneas do que aquele que constrói um pretenso e, por que não dizer,