As relações sociais das camadas populares



5 Comentários

Seriam as áreas comuns das favelas mais vivas do que nos bairros classe-medianos e “nobres”? Pessoas, cachorros, gatos, porcos, galinhas, jumentos e burros transitam pelas suas ruas e vielas labirínticas.

Grande Tancredo Neves: formação dos territórios



4 Comentários

Os primeiros dois textos da série Antropologia do crime no Ceará discutiram sobre aspectos éticos e metodológicos durante a pesquisa de campo. A partir deste, adentro nos resultados da pesquisa.

Pesquisando o “mundo do crime” e inserindo-se no “campo”



7 Comentários

Como dizia no final do último texto, todo o processo de pesquisa em campo deve ter como horizonte ético-político um exercício de alteridade baseado em humildade e respeito aos indivíduos

A dimensão ética na pesquisa de campo



12 Comentários

Estamos iniciando a série “Antropologia do crime no Ceará”, que vai trazer uma análise socioantropológica sobre o “mundo do crime” no Brasil, com destaque para as terras cearenses. A pesquisa

Descomeço na solidão (da quarentena)



0 Comentários

Na última sexta-feira (19), mais um artista periférico deu à luz. Descomeço é o segundo EP de Leandro Maciel (o primeiro é Não Só, de 2019), cantor e compositor cearense,

Balbúrdia e poesia



0 Comentários

Quem disse que balbúrdia e poesia não combinam? Pois ó, poesia, de certa forma, é uma balbúrdia danada com as palavras. E aqui não vamos dizer balbúrdia no “bom sentido”,

Cidade à venda? A Prefeitura de Fortaleza e o projeto de exclusão popular



2 Comentários

Este ano completa-se uma década da Lei nº 62, de 2009, que instituiu o Plano Diretor de Fortaleza. E o que nós, que vivemos na capital cearense, temos a ver

Criminalização seletiva: o que os “bandidos” têm a dizer?



0 Comentários

Pensar os sentidos inerentes à violência social brasileira não é uma tarefa fácil como querem fazer crer os adeptos do “bandido bom é bandido morto”. Se muito já se discutiu

Isso não é Netflix!



0 Comentários

artur@revistaberro.com Ano passado, viajei sozinho por quatro meses e meio. Mochilão nas costas, prancha de surfe debaixo do braço, diário de viagem sempre a postos… Muitos ônibus, barcos, topiques e

Sobrevivendo na adversidade



0 Comentários

Mais do que práticas rotineiras, “Rotinas” aborda os desafios das gentes simples para ter o de-comer do dia a dia. A partir do diálogo com três comerciantes do São Cristóvão,